Ensaios e Artigos

DE UMA ORGANIZAÇÃO PATOLÓGICA À POSIÇÃO DEPRESSIVA: A Elaboração do Luto pelo Personagem Trevor no filme “O Operário”

Neste texto, analisamos o filme “O Operário” à luz da teoria kleiniana, em especial o conceito de Refúgios Psíquicos de John Steiner. Texto na íntegra.

CUIDADO DE SI E REFLEXIVIDADE NA SOCIEDADE DE RISCO

O objetivo deste trabalho é propor uma reflexão por meio da articulação do conceito “Cuidado de si” de Michel Foucault com o conceito de reflexividade de Anthonny Giddens, procurando problematizar em que medida as estratégias para lidar com a insegurança ontológica podem ser entendidas como uma forma de cuidado de si, considerando-se sua dimensão ética como prática da liberdade. Texto na íntegra

Os Limites da Liberdade Humana em Relação à Vontade (em Aristóteles, Apóstolo Paulo, Epicteto e Santo Agostinho)

Neste trabalho, procuramos discutir o lugar que a liberdade ocupa em sua articulação com a Vontade, esta ultima como uma das faculdades do espírito. Orientamos-nos por meio da seguinte questão: é possível que haja uma vontade livre no ser humano? Quais seriam, então, os obstáculos que impediriam a Vontade de atuar livremente? Para tanto, nos debruçamos sobre a obra de Hannah Arendt intitulada “A Vida do Espirito – Querer”, especificamente o capítulo dois, cuja discussão se assenta sobre a descoberta do homem interior em Aristóteles, Apóstolo Paulo, Epicteto e Santo Agostinho. Trata-se, portanto, de um texto descritivo cujo foco norteador é o lugar da liberdade na descoberta da Vontade.  Texto na íntegra

ENTRE A ADVERSIDADE E A SOBREVIVÊNCIA: OS FATORES DE RESILIÊNCIA PARA AS PESSOAS EM SITUAÇÃO DE RUA

Algumas pessoas, em determinados momentos na vida, passam por situações adversas, como o desemprego, separações familiares, perda de  entes queridos, situações de adoecimentos, exposições a violências físicas e psíquicas, entre outras. Contudo, percebemos que algumas pessoas reagem de maneiras distintas perante tais situações. Há quem não consiga retomar o desenvolvimento após uma situação traumática ou adversa e existem pessoas que, mesmo expostas a estes tipos de agravos, conseguem sair fortalecidas. Este movimento de enfrentamento frente a acontecimentos difíceis ilustra o conceito de resiliência. Mas quem define o que é evento traumático ou adversidade e quem define o que são fatores de resiliência? Quais os parâmetros que nos permitem dizer que alguém é resiliente ou não? Esta pesquisa teve por objetivo entender os sentidos de adversidade e superação para pessoas em situação de rua. Texto na íntegra

 AS IMPLICAÇÕES DO “LOCALISMO GLOBALIZADO” SOBRE A CONCEPÇÃO DE PESSOA 

Pensar a globalização no âmbito social e cultural implica, sobretudo, compreender os seus efeitos sobre a vida das pessoas. Numa economia e numa cultura cada vez mais desterritorializadas, a resposta contra os seus malefícios seria a redescoberta do sentido de lugar e da comunidade, chamada por Boaventura de Sousa Santos de localismo globalizado. O objetivo deste trabalho é, portanto, propor uma articulação entre o chamado “localismo globalizado” e seus efeitos na construção da noção de pessoa. Partimos da hipótese de que este localismo, embora seja uma resposta resistencial ao globalismo hegemônico, pode vir a contribuir para essencializações quando as diferenças locais se tornam intoleráveis. Ao fim do texto apresentaremos um conceito sobre pessoa que contribua para a adoção de uma visão de identidade não fixa e naturalizada. A “mesmidade na diferença” da qual fala Santos só poderá ser de fato democratizada quando abandonarmos discursos que naturalizam tais diferenças. Texto na íntegra

Resiliência – construindo fatores de proteção

O objetivo deste artigo é discutir o conceito de Resiliência, definido como a capacidade da pessoa superar uma situação adversa ou traumática e sair dela fortalecida, em sua interface com o conceito de vulnerabilidade, definido como o movimento de considerar a chance de exposição das pessoas ao adoecimento, levando-se em consideração os aspectos individuais, coletivos e contextuais. Ambos os conceitos referem-se a fenômenos distintos, mas estão articulados de modo singular em cada pessoa ou grupo social. Quanto maior a vulnerabilidade, menor serão os fatores de proteção (resiliência) para o enfrentamento de uma adversidade e situações de risco. Texto na íntegra

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s